Notpad

A Ditadura do Photoshop

Publicado em 6/09/2006.
Comente

Novo artigo no Webinsider: Até onde a usabilidade mata a criatividade?

Primeiro, um comentário sobre o título do artigo: Usabilidade não mata criatividade. Usabilidade demanda criatividade. Mas… o que é criatividade?

Lembro de um trecho do filme Apollo 13, com o Tom Hanks, que traduz o que penso sobre criatividade.

Eles tinham um problema. Tinham premissas, requisitos, prazo e limitações. E resolveram.

Por aqui (na web .br) é diferente. Criatividade, a grosso modo, virou sinônimo de Photoshop. De sacadinha gráfica. Designers de todo o Brasil se apropriaram do termo. Sem sacanagem ou maldade. Simplesmente aconteceu. Talvez pela forte influência da propaganda na história da internet tupiniquim. É pouco software e muito branding.

Na Click, trabalhei na Criação. Aqui na Globo.com, já fui da Criação e hoje estou no Núcleo de Desenvolvimento de Novos Produtos, que tem uma “mini” criação dentro. Ahhh, tem também um grupo de e-mail com o nome “criativos”.

Brinco com o pessoal aqui, que hoje vivemos a ditadura do Photoshop! ;-)
E com esse post vou ter que contratar uns seguranças, se não a DIP da Criação me pega de jeito!!!

Brincadeiras a parte, criação, por aqui, é isso.
Mas será que os outros atores do processo de desenvolvimento de um site não são criativos? Usabilidade não demanda criatividade? Programação não demanda criatividade? Gestão não demanda criatividade? Os cientistas da Nasa que salvaram a Apollo 11 não foram criativos???

Criatividade é muito mais que fazer coisas bonitas. É muito mais que causar impacto visual. Extrapola o belo e pode até ser feio. Não é e não pode estar restrito ao Photoshop.

Eu jogo Hattrick.
Dedico algumas horas da minha semana a isso. Hattrick é feio pra caramba e sua interface é uma aventura. Hattrick é criativo? Pra mim, é exemplo de criatividade! Google é criativo. Yahoo é criativo. Youtube é criativo.

O artigo do Gilberto Alves Jr. fala em função e lembra Bauhaus. Diz que “a criatividade de um site depende da função dele”.

Não vejo relação.
Criatividade independe de função. Criatividade não é (só) forma.

Gilberto tembém diz:

O site de um músico, por exemplo, tem a função de expressar a linguagem daquele músico, expressar o sentimento, a tribo, a atitude, a poética específica daquele artista, e isso é mais importante no site de um artista do que a informação propriamente dita.

Será essa a função do site de um músico? “Expressar a linguagem” é realmente mais importante que sua discografia? Que sua agenda de shows? Aliás… são objetivos excludentes? Não posso ser criativo se construir um site focado na discografia e agenda de shows desse artista? IMDb é criativo?

Logo depois, Gilberto disse:

Já o site de um jornal, por exemplo, não tem motivos para ser muito decorativo, criativo, porque o principal é a informação.

Mas… Jornal também não tem valores? Não tem que “expressar sua linguagem”? Jornal não demanda criatividade? O site do U2 é mais criativo que o Newsvibe?

Criatividade não é só forma e também pode ser exercida fora do Photoshop.
O tema é bom e vale o debate.